UMA RELAÇÃO CENTENÁRIA

Em 1543, os portugueses chegaram ao Japão (ilha de Tanegashima), sendo o primeiro povo europeu a estabelecerem contacto com o povo japonês com quem estabeleceram relações comerciais. Este contato levou influências culturais portuguesas ao Japão que se tornaram visíveis nomeadamente da gastronomia.

Influências linguísticas:

Devido ao convívio entre as duas culturas, houve palavras portuguesas adaptadas para japonês e vice-versa. O português herdou biombo e catana, objetos característicos da cultura e artes de guerra japonesas e o japonês herdou palavras, maioritariamente relacionadas com vestuário e alimentação portuguesas: botão (butan), gibão (juban no Japão, é uma peça de roupa interior, geralmente de cor branca, para usar debaixo do kimono), pão (pan), copo (koppu), e ainda sabão (shabon) e tabaco (tabako).

Outra das principais influências ao nível da língua e da expressão linguística, foi o facto de ter sido o povo português, em 1590, que introduziu a tipografia no Japão. Começaram a ser produzidos caracteres japoneses para que pudessem ser impressos livros e dicionários japonês-português. “Doutrina Cristã” foi o primeiro livro impresso em japonês em 1951.

Influências no vestuário:

A roupa que os portugueses vestiam deve ter impressionado os japoneses do século XVI porque certos aspetos da indumentária lusa foram rapidamente adotados neste país como as capas e peças em lã.

Influências na gastronomia:

Com as missões Jesuítas e a estabilização do povo português no Japão foram realizadas algumas alterações quer na agricultura quer na pecuária japonesa. Na agricultura foram introduzidas, sobretudo, plantações de frutas como a figueira ou a pereira e ainda a videira, para uva de consumo ou vitivinícola – sobretudo para a produção de vinho a ser utilizado nas cerimónias cristãs. Em termos de pecuária foi iniciada a criação de pequenos animais para consumo, como a galinha ou o coelho.

Os hábitos alimentares dos japoneses mudaram e os maiores exemplos da influência portuguesa são a Castella, especialidade de Nagasaki, que se desenvolveu a partir do pão-de-ló português, e a Tempura, famoso prato japonês, teve origem, quer no nome, quer na sua confeção, ao termo religioso “Quatro Têmporas”.

Já na pastelaria, existe um doce considerado tipicamente japonês, o “Konpeito” que deriva do antigo doce português “confeito” – grão, geralmente de erva-doce, coberto com açúcar.

Outros exemplos de influências gastronómicas:

  • Aji no Namban zuke (carapaus alimados ou de escabeche)
  • Chiken Namban (Frango Namban – um tipo de frango panado)
  • Keiran Somen (lit. fios de ovos de galinha – fios de ovos)
O Nosso Ramen

O Ramen da AFURI diferencia-se dos demais por ser mais leve, fresco e delicado. A qualidade de todos os ingredientes é um ponto essencial para a AFURI, no entanto, há um ingrediente em concreto que torna o seu Ramen tão diferente e especial – o yuzu – uma pequena fruta amarela de origem asiática.

Este pequeno citrino marca a assinatura do Ramen AFURI, e é utilizado essencialmente para aromatizar e enfeitar tanto os caldos como a carne de porco grelhada no carvão.